15 de jan de 2013

Chave do Conhecimento


 http://1.bp.blogspot.com/-GeVCcgb4nsg/TpBsW5GXL2I/AAAAAAAAAwc/ZcSucYmiU_g/s1600/caduceu20.jpg

39 - Disse Jesus: os fariseus e os escribas receberam as chaves do Conhecimento e as esconderam. Eles não entram e não deixam entrar aqueles que querem. Mas vós, tornai-vos espertos como as serpentes e inocentes como as pombas.

Esses dois textos são conhecidos por outros Evangelhos, mas sem a conexão que Tomé estabelece.

Os fariseus e os escribas ensinavam teologia, que é uma ciência analítica sobre Deus, mas não é a visão intuitiva de Deus, que é verdadeira Religião. E assim fechavam a entrada no Reino de Deus a seus adeptos, que se guiavam por esse horizontalismo intelectual, porquanto “do mundo dos fatos não conduz nenhum caminho para o mundo dos valores, porque estes vêm de outra região” (Einstein). Quem se contenta com fatos e os identifica com valores, com a própria Realidade, obstrui o caminho que leva a Deus; adora ídolos fictícios mas não o Deus verdadeiro.

Valor, Realidade, Deus, não são fatos que possam ser descobertos pela inteligência analítica; Deus é a Realidade que se revela ao homem que esteja em condições de receber esta revelação.

A inteligência é simbolizada pela serpente; a intuição é representada pela pomba.

Quando a inteligência substitui a intuição, impede o homem de conhecer Deus.

Mas, se a inteligência serve de precursora da intuição e é integrada nesta, então é útil para a experiência de Deus. É neste último sentido que Jesus recomenda a seus discípulos que sejam inteligentes como as serpentes e simples como as pombas.

A própria ciência, no seu estágio mais avançado, compreendeu a necessidade da união entre análise e intuição. Einstein disse: “Eu penso 99 vezes, e nada descubro; eu deixo de pensar e mergulho num grande silêncio – e eis que a verdade me é revelada”.

Tomás Edison escreveu: “Eu necessito de 90% de transpiração (esforço pessoal) para ter 10% de inspiração”.

Tanto Einstein como Edison reconhecem a necessidade do trabalho da inteligência como fase preliminar necessária a ser superada; ambos concedem que suficiente é somente a revelação ou inspiração intuitiva.

A mentalização se torna obstáculo somente quando pretende substituir a transmentalização; quando ela se põe na vanguarda da nossa vida, em vez de ficar na retaguarda.

Neste sentido diz a Bhagavad Gita: “O ego é um péssimo senhor da vida, mas é um ótimo servidor”.
A inteligência é como João Batista, precursor da intuição, do Cristo; e deve dizer: “Convém que ele cresça e que eu desapareça”.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...